Imprimir este post Imprimir este post

A MAIS VALIA NO TRANSPORTE PÚBLICO

           Os estudos relativos aos vários modos de transporte urbano demonstram que as opções por ônibus e por automóvel estão esgotadas. Neste último caso, a quantidade de veículos em circulação é um forte óbice à ampliação das frotas de ônibus e um grande contribuinte à poluição atmosférica.

           Nas grandes cidades não há como, pois, melhorar as condições de transportes sem recorrer aos sistemas de massa ou de capacidade intermediária, como são os VLP’s, VLT´s e BRT’s.

           Entretanto, a reserva de faixas de circulação exclusiva para os ônibus – tal como ocorre com os VLP´s, VLT´s e BRT’s – permite elevar muito a capacidade de transporte por ônibus, não só por evitar congestionamentos, mas também por admitir veículos maiores, do gênero articulado e biarticulado, eventualmente operados em “comboios ordenados”.

            Implantar corredores, porém, implica em elevar os investimentos, que não tem sido abarcado pelos concessionários de ônibus, embora a operação em corredores aumente muito a demanda por km percorrido (IPK) e reduza os custos operacionais.

            Por outro lado, a operação com veículos dotados de motores de combustão interna eleva muito a poluição do ar e o nível do ruído em seu entorno. Daí recomendar-se que os veículos a serem utilizados nesses corredores sejam de tração elétrica, como o são os dos metrôs, VLP´s e VLT´s.

           O modelo de implantação dos vários sistemas, entretanto, tem feito com que os investimentos em infraestrutura – vias metroviárias e corredores – fiquem sempre a cargo do poder público, cabendo à iniciativa privada, até hoje, tão somente operar linhas de ônibus. A simples opção por ônibus elétricos é rejeitada pelos operadores, porque os investimentos são maiores e os veículos não tem valor de revenda após a sua utilização econômica. Com aparente maior razão os empresários se recusam a investir em corredores, embora se possa comprovar que sua atividade relativa ao transporte de passageiros aumenta muito.

           Esse quadro, vis-à-vis a reduzida capacidade de investimento do poder público, tornou inexorável o aumento da participação, nos deslocamentos diários, dos automóveis, das motocicletas e até dos andarilhos, causando enormes prejuízos econômicos (estima-se que as perdas na RMSP atinjam a 40 bilhões de reais por ano, equivalentes ao necessário para implantar 200 km de metrôs anualmente!) e graves conseqüências para a saúde pública, o aquecimento global, o desperdício de energia, etc.

            Como reverter tal situação, atraindo investidores privados e estimulando a operação do transportes por operadores também privados? Não se tem levado em conta, até hoje, que os corredores favorecem os custos operacionais, que os veículos elétricos reduzem consideravelmente o consumo de energia e não tem inconvenientes ambientais e, finalmente, que corredores, bem como sistema de massa ou de média capacidade, de elevada tecnologia, não só se mostram atraentes para a população, gerando uma migração do passageiro do automóvel para o transporte público, como são instrumentos de considerável valorização das áreas nos seus entornos. Capturando essa valorização, o metrô de Tókio tem hoje 77% de suas receitas provenientes de negócios imobiliários geradores de uma mais valia que deve, no todo ou parte, contribuir para os investimentos que lhe deram causa. A esse propósito, recorda-se que o saudoso jurista Geraldo Ataliba afirma, em seu livro Hipótese de Incidência Tributária, que “há obrigatoriedade para o Estado em instituir o tributo (contribuição de melhoria, no caso) se da obra pública resultar valorização imobiliária, sob pena de caracterizar-se enriquecimento sem causa do proprietário do imóvel valorizado” (grifo nosso).

            As hipóteses de participação do poder público na mais valia resultante da obra pública foram exaustivamente abordadas no livro “O Financiamento de Obras e Serviços Públicos”, de autoria de Adilson Abreu Dallari e Adriano Murgel Branco. Desses estudos resultou como forma mais moderna a ser sugerida o instituto da “Concessão Urbanística”, previsto na lei nº 13.430, de 13/09/2002 (Lei do Plano Estratégico do Município de São Paulo) e agora na lei nº 14.918 de 07/Maio/2009, aprovada pela Câmara Municipal e publicada.

             Está aberto, portanto, um amplo espectro de realizações públicas – de ordenamento urbano a sistemas de transportes – suportados financeiramente pelos recursos da valorização imobiliária. Com isso, atrair-se-ão recursos financeiros e gerenciais da iniciativa privada em escala suficiente para que se possa superar, em alguns anos, o grave problema de transporte público, tornando-o confortável, econômico, ambientalmente limpo e, assim, atraente para os usuários.

 

Adriano M. Branco

 


 

 

 

Sobre Adriano Branco

Eng. Adriano Murgel Branco Adriano Murgel Branco, paulistano de 76 anos, é administrador e engenheiro eletricista formado por uma das melhores escolas de engenharia do país - a Universidade Mackenzie. Branco, foi consultor no Brasil e em Moçambique, professor universitário, ocupou inúmeros cargos públicos, entre eles o de secretário da Habitação e secretário dos Transportes do Estado de São Paulo, nos anos 80. Ocupou também, cargos privados como o de diretor da Coplan, da Trol S.A., da TCL, da Caio entre outras. Ministrou palestras no Brasil,México,Colômbia,Venezuela,Equador, Paraguai, Argentina, Uruguai, Peru e Chile sobre transporte, segurança rodoviária e habitação. É autor de mais de duas centenas de artigos em jornais e revistas, publicadas até na Inglaterra e Alemanha. Em 1972, foi publicada sua primeira monografia sobre Acidentes Rodoviários; em 1975 é publicada a Normatização Brasileira de Defesa Rodoviárias. Teve também três de suas monografias publicadas em 1978: Trólebus,Tendências Modernas dos transportes Coletivos Pneumáticos e Transportes Urbanos por Trólebus; nos anos oitenta foram publicadas: Uma visão Sistêmica do Transporte Urbano, O Transporte Urbano no Brasil e A Prevenção dos Recursos Hídricos no Estado de São Paulo. Seus livros mais ressentem são Segurança Rodoviária, O Financiamento de Obras e de Serviços Públicos, em parceria com o Adilson Abreu Dallari, e Desenvolvimento Sustentável na Gestão de Serviços Públicos, em parceria com o economista Márcio Henrique Bernardes Martins.

One Response to “A MAIS VALIA NO TRANSPORTE PÚBLICO”

  • Bom dia,
    Estou elaborando um TCC sobre o transporte público da cidade de Bertioga e tenho am mãos o Livro: Transporte Urbano no Brasil, escrito por Adrino Murgel Branco, em Abril de 1981,no entanto, o mesmo não possui a Editora, talves seja, porque está datilografado e não digitado. Vocês podem me ajudar me fornecendo a Editora,Ano de edição e Revisão( se houve).
    Agradeço desde já.
    Patricia rodrigues da silva

Patricia Rodrigues da Silva on setembro 10th, 2013 at 10:56 am

    Your email is never shared.
    Required fields are marked *




Gingerpages